Patrocinadores abandonam nadador americano por diluição de marca.

Cancelamento de contratos de patrocínio

Assunto que ganhou o mundo nas últimas semanas, o nadador americano Ryan Lochte está sentindo no bolso a repercussão dos fatos ocorridos nas olimpíadas Rio 2016. Após sofrer críticas da imprensa e da Confederação Olímpica Americana, alguns de seus patrocinadores se manifestaram oficialmente cancelando seus contratos ou informando que não haverá renovação.

Mas afinal, qual a ligação das atitudes do atleta com o tema marcas?

Sendo o atleta campeão de diversos torneios, incluindo uma medalha de ouro nas Olimpíadas do Rio, porque patrocinadores estão cancelando seus contratos? A principal função de uma marca é identificar produtos e serviços. Entretanto, a marca possui outras funções no mercado como, por exemplo, a função de indicar uma qualidade ou garantia. Gabriel Di Blasi, destaca que “a marca atua como um veículo de divulgação, formando nas pessoas o hábito de consumir um determinado bem incorpóreo, induzindo preferências através do estimulo ocasionado por uma denominação, palavra, emblema, figura, símbolo ou outro sinal distintivo. É, efetivamente, o agente individualizador de um produto, de uma mercadoria, ou de um serviço, proporcionando à clientela uma garantia de identificação do produto ou serviço de sua preferência” (A propriedade Industrial; 1997 pg. 332). A valorização da marca ocorre por diversos fatores, desde métodos de fabricação e escolha de matéria prima, até volumosos investimentos em marketing. Entretanto, da mesma forma como o titular da marca busca agregar valor a ela também existem diversos fatores que denigrem a marca. No caso ocorrido com o nadador, em nenhum momento as marcas dos seus patrocinadores foram expostas ou citadas. Porém, quem gostaria de ter sua marca atrelada a um fato negativo que teve repercussão mundial? Qual fabricante gostaria de ser conhecido como o “fabricante do mentiroso”? Ou, ainda, incentivar o esporte e sua disciplina, mas ser contraditório ao apoiar um atleta com fama de “arruaceiro”.

Cuide de sua marca

Assim como o ocorrido no caso citado, existem outras situações que também podem depreciar os valores de uma marca como, por exemplo, a reprodução e/ou imitação de marcas por terceiros sem autorização. Para evitar tais conflitos é imprescindível que o titular da marca proceda com o devido registro da marca, bem como zele pela mesma, seja por medidas administrativas (oposições), extrajudiciais (notificações) ou judiciais (ações de uso indevido de marca).

Quer ter mais informações sobre propriedade intelectual? Acesso nosso site e cadastra-se em nossa newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *