Conflitos de marca: Conheça os casos mais inusitados.

Conflitos de marca: Conheça os casos mais inusitados.

Com certeza, você já viu na internet algumas marcas em conflito ou até mesmo, alguns memes sobre o assunto. Só no Brasil, temos mais de 18 milhões de empresas ativas e a concorrência de nomes e marcas similares é altíssima.

A primeira pergunta que precisa ser feita antes de falarmos os conflitos de marca mais inusitados é: Como o Registro de Marca pode ser uma vantagem para o seu negócio nesses casos?

No mercado, existem diversos casos de empresas que tentam criar marcas com características iguais às de marcas famosas. Mas o registro de marca é uma segurança para todas as marcas, pois é com ele que você poderá crescer sem medo de criarem uma marca parecida com a sua!

Confira os casos mais inusitados de tentativa de cópia de marca:

Louis Vuitton vs Louis Vitton Dak

– Um caso de uso de marca com públicos totalmente distintos: loja de grife vs alimentação.

Em 2016, a famosa empresa do estilista Louis Vuitton precisou entrar em processo contra um restaurante sul-coreano que vendia frango frito, que resolveu adotar o nome Louis Vuiton Dak. No fim dessa inusitada ação, a justiça decidiu agir a favor do estilista, alegando que o nome poderia, de fato, causar confusão nos consumidores que pensariam que o restaurante faz parte da rede de negócios do astro da moda.

Fonte: TradeMark

Johnnie Walker vs João Andante

– Um caso de uso de marca no mesmo segmento: bebidas alcoólicas.

Um caso um pouco mais recente e que envolve uma marca totalmente brasileira foi a disputa entre a empresa Diageo, fabricante do whisky Johnnie Walker, e uma empresa mineira que fabricava a cachaça João Andante.

Você deve estar se perguntando qual a relação, mas nesse caso, além de o nome da marca brasileira aparentar ser uma tradução livre e direta do nome da marca Johnnie Walker, outras similaridades estavam presentes também no logo da João Andante – enquanto no whisky aparece um senhor andando com sua bengala, na cachaça aparecia um andarilho carregando um pedaço de pau com um saco na ponta.

Os fabricantes da cachaça alegaram que o nome João Andante e a imagem estilizada na logo não passavam de uma referência a um andarilho que vagava pela região. No entanto, a justiça não foi convencida e decretou que os criadores da marca deveriam pagar uma indenização de R$ 50 mil para os fabricantes do whisky.

Fonte: Tribunal da Justiça de SP / Ponto Jurídico

Você conhece mais algum caso inusitado sobre cópia de marca? Deixe nos comentários!

Lembre-se: Evite problemas futuros com a sua marca e registre agora mesmo.

Ainda tem dúvidas sobre o registro de marcas? Acesse aqui  e conte com a equipe especializada da Crimark para te auxiliar!

Open chat
1
Ola! Em que podemos lhe ajudar?